Fórum Voltado a criação e manutenção de aves silvestres e exóticas.

Palavras chave

Últimos assuntos

Setembro 2017

SegTerQuaQuiSexSabDom
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 

Calendário Calendário

Parceiros

Fórum grátis


    O QUE É IMPRINTING EM AVES?

    Compartilhe
    avatar
    Monteiro Junior
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 170
    Data de inscrição : 28/11/2013

    O QUE É IMPRINTING EM AVES?

    Mensagem por Monteiro Junior em Qui Dez 12 2013, 19:34

    O QUE É IMPRINTING EM AVES?
    Imprinting é uma palavra da língua inglesa que poderia ser “gravando na mente” e não há tradução exata para o português; costuma-se utilizar essa expressão quando se detecta um comportamento diferente da ave no seu relacionamento com o ambiente. Assunto a nosso ver, com respeito a aves brasileiras, muito pouco estudado e que deveria merecer uma atenção mais acurada por parte de quem de direito. Será que estaria aí uma das bases dos processos de surgimento de novas espécies?
    Na realidade, o imprinting poderia ter origem em algum tipo de interferência sofrida por algo não habitual no desenvolvimento da ave; isto é, por fatores aleatórios, o indivíduo estaria debaixo de uma ação estranha às condições normais no processo de sua vida, em especial no seu primeiro ano de vida.
    Depois de mais de cinqüenta anos de observações que fizemos no que se refere à vida e comportamento das aves e que pudemos constatar de uma forma ou de outra, vamos tentar resumir nesse texto o que depreendemos com respeito a esta questão.
    Assim, na natureza, este fenômeno pode acontecer a partir de alguns fatores favoráveis que teriam sua origem na caça predatória e degradação ambiental ou seria também, uma forma de evolução natural, por exemplo: um filhote fruto de
    cruzamento entre espécies diferentes. Isto mais ocorre em locais onde a fêmea de uma espécie não encontra um macho para pareamento e aceita a gala de um estranho, não convivem, mas geram os filhotes advindos da respectiva cópula. Não se acasalam por causa da linguagem que é diferente, não conseguem se comunicar ou se integrar, bem como se alimentam diversamente, por isso é que apenas exercem o ato sexual pela libido despertada na fêmea, independente da normal acasalação com um macho de igual espécie.
    A explicação dessa inexistência de acasalamento, nesses casos, seria uma das formas naturais de se manter as espécies em pureza. No entanto, no caso dos passeriformes, diante do exercício de uma longa experiência, convivência e observação, podemos afirmar que conhecemos dezenas desse tipo de anomalia (híbridos ou mestiços) oriunda de ambientes naturais.
    Naqueles que pudemos examinar e pesquisar notamos que assumem a linguagem e o comportamento da espécie da mãe. Por exemplo: se for criado por uma bicuda (cruzamento de curió -Oryzoborus angolensis- macho x bicudo -Oryzoborus maximiliani- fêmea) ele aprende com facilidade o canto do bicudo; se for criado por uma chorona (cruzamento do chorão -Sporophila leucoptera- macho com curió fêmea) aprende com facilidade o canto do curió.
    O interessante é que todos os passeriformes dos gêneros Oryzoborus e Sporophilas cruzam entre si e esses híbridos ou
    mestiços são férteis em cem por cento dos casos. Provindos da natureza, tivemos a oportunidade de conhecer, vimos, examinamos e pesquisamos sobre muitos deles, por exemplo: Curió X Coleira do Brejo (Sporophila collaris); Curió x Bigodinho (Sporophila lineolar); Curió x Coleiro (Sporophila cearulescens); Curió x Caboclinho (Sporophila bouvreuil); Curió x Patativa (Sporophila plumbea), entre outros. Ainda mais: quase sempre o mestiço de Sporophila com curió advêm de cruzamento com o curió fêmea, a exceção com o bicudo quando a fêmea, em sua maioria é a do bicudo.
    Todos esses espécimes ficam imprintados e têm, como dissemos, propensão a cantar os dialetos da espécie de sua mãe, que tem com o filhote, ainda no ninho, interação de linguagem e afeto. O fato, porém de serem férteis e de aprenderem a linguagem da mãe nos leva a perguntas: Por quê seria? Quem sabe a natureza (sempre sábia), trabalhando em função da preservação, isto é, um filhote mestiço cruzando com sua mãe, iria, depois de quatro, cinco gerações, conseguir buscar a recomposição da respectiva população? Ou seria daí que poderiam surgir novas formas de indivíduos, as novas espécies ou subespécies?
    Nos ambientes domésticos há alguns poucos criadores que se dedicam a obter ou manter esse tipo de pássaro, e daí as observações que fazemos encontram respaldo na pesquisa que fizemos nos exemplares que estão em poder dos ornitofilistas,
    para qualquer tipo de comprovação, quanto ao aprendizado de canto e à fertilidade. Assim, vimos que são plenamente férteis os produtos dos cruzamentos curió x bicudo, curió x chorão e curió x coleiro do brejo, mesmo que acasalados entre si.
    Explicando melhor: há casos em que, experimentalmente, foi cruzado um Chorió (Chorão x Curió) fêmea, com um Bicurió (Bicudo x Curió) macho e os filhotes nasceram e ficaram como a mãe imprintados para o Curió.
    Outro fato interessante: alguns criadores, para salvar ovos de curió (em pureza) fecundados e abandonados, por falta de opção os colocaram para serem chocados por bicudas. Invariavelmente ficaram, por causa do processo adotado no choco, imprintados pelas bicudas. Também acontece o contrário, quando filhotes de bicudos são criados por fêmea de curió. Esse tipo de animal, embora geneticamente puro, não entende a linguagem da sua própria espécie, canta o dialeto e só acasala com a raça de sua mãe adotiva.
    Nessas condições, conhecemos alguns curiós que cantam bicudo e vice-versa. Outro caso estranho: conhecemos curiós que foram cuidados e chocados por fêmea de canário da terra – Sicalis flaveola - e assim igualmente ficaram imprintados cantando de estalo, cortejando e manifestando a libido apenas para fêmeas de canários. Numa ocorrência, mais esquisita ainda, com bicudos domésticos, que totalmente isolados quando filhotes em locais onde presenciavam em torno de si, a movimentação e a
    algazarra de colônias de pardais – Passer domesticus -, assumiram, na fase adulta, a linguagem e se interaram com eles. Passaram a cantar os trinados estranhos e só fazem a corte (ritual de acasalamento) para pardal. Vimos, inclusive, bicudos machos aceitando somente como parceira fêmea de pardal.
    Causa-nos, todavia, outra indagação, o fato de não haver interferência no comportamento de um Chupim (Molothrus bonariensis) com o Tico-Tico (Zanotrichia capensis). Supomos que o motivo é que eles, logo após se separarem de sua mãe postiça, por instinto, se juntam em grandes bandos nômades e ficam muito tempo nessa situação, e aí encontrariam a necessária interação com a sua respectiva espécie.
    Há ainda o imprinting de aves com o ser humano, papagaios, araras, periquitos, tucanos são exemplos maiores dessa anormalidade. Criados desde filhotinhos como pets “na mão” aprendem até a balbuciar e repetir palavras que lhe são ensinadas, o que vem a comprovar a possibilidade do estranho aprendizado da linguagem e do estreito relacionamento de carinho e de acasalamento.
    Por isso, quando tratamos de filhotes separados da mãe, por um motivo ou por outro, é necessário que eles sejam colocados juntos por volta de dez em um gaiolão para que assumam o comportamento e se interem com indivíduos de sua respectiva espécie, é o que fazemos na LAGOPAS. Ficam nesse tipo de recinto até os dez meses de idade.
    Já para os passeriformes, o Pássaro Preto – Gnorimopsar chopi e o Corrupião – Icterus jamacaii, são os mais susceptíveis a serem imprintados; aprendem a cantar hinos, chamam cachorro, reconhecem as pessoas e assim por diante. Essas constatações lhes causa uma dependência muito grande e ficam assim fragilizados na eventual falta do seu amo.
    Por isso, sentem muita dificuldade no caso de eventuais devoluções à natureza; é preciso muita paciência, instalações apropriadas, técnicos e expertos que estejam dispostos a efetivar as ações necessárias ao intento. Quanto à utilização para a reprodução doméstica, há também dificuldades adicionais porque os indivíduos muitas vezes não reconhecem como par um outro exemplar de sua espécie; todavia, levando em conta que o instinto é um guia maior, que explorado juntamente com um manejo adequado, podem levar a se obter sucesso na empreitada.
    Acreditamos, finalmente, que esse nosso relato sobre o imprinting servirá pelo menos para despertar o interesse ou a discussão sobre este importante e eventual tipo de comportamento das aves e que assim, conhecendo-as melhor, possamos todos unir esforços para trabalhar no sentido da conservação de todas elas, com ética e conhecimento de causa.
    Texto Original – Publicado no Atualidades Ornitológicas 121 de 2004

    Extraído de: www.lagopas.com.br

      Data/hora atual: Seg Set 25 2017, 18:17